Notícia

PRÊMIO FACIAP MULHER EMPREENDEDORA

quinta, 28 de março de 2019
Empresária de São João representará o Sudoeste em premiação Estadual.

A noite de segunda-feira, 25 de março, foi especial para o grupo de mulheres que formam o Cacispar Mulher. É porque teve a divulgação da história vencedora que concorrerá ao “1º Prêmio Mulher Empreendedora da Faciap”, Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Paraná.

Através de histórias inspiradoras, de mulheres empreendedoras que transformaram seu sonho em realidade, a primeira edição do prêmio visa fomentar o empoderamento feminino e destacar a forte representatividade de mulheres em cargos de direção, selecionando e premiando o melhor relato de uma mulher de negócios, com destaque para sua trajetória e ascensão profissional.

As 12 candidatas selecionadas concorrerão a troféu e capacitação fornecida pela Unifaciap, Universidade Corporativa. A cerimônia de premiação acontece quinta-feira, 23 de maio, em Curitiba.

E a representante da região da Cacispar, Coordenadoria das Associações Comerciais e Empresariais do Sudoeste do Paraná, é a empresária Roseli Kummer de Oliveira, de São João. “Quase chorei quando eu soube que minha história foi a vencedora, eu sempre tive dificuldade de escrever, mas o Sebrae me ajudou. Não pensei que a minha história pudesse motivar alguém, é muito gratificante e agradeço muito a Deus. Agora vamos para a segunda etapa e espero ser a ganhadora”, comemora.

Sobre o que a motiva a participar do associativismo, Roseli acredita que “a gente sai da rotina do dia a dia, conhece outras pessoas, troca experiências. Por que eu vou ficar dentro de casa?”, opina.

Rosane Spigosso, presidente do Cacispar Mulher, conta que na reunião de segunda foram apresentadas as ações do Planejamento Estratégico do Conselho [Cacispar Mulher]. Ela reforça que um dos objetivos de sua pasta é incentivar as mulheres a participarem dos eventos promovidos pela coordenadoria e pelos núcleos regionais. “Ficamos felizes com a boa presença dos núcleos de mulheres da região”.

Na reunião foram destacados ainda o 11º Fórum da Mulher Empresária, agendado para o dia 24 de agosto em São Jorge D’Oeste (antes, no dia 23, acontece em Chopinzinho, importante reunião itinerante da Faciap Mulher com representantes das coordenadorias de todo o Paraná) e a 17ª Convenção Empresarial da Cacispar, marcada para o dia 18 de julho, em Dois Vizinhos.

 

Conheça a história de Roseli

Não foi só um sonho, foi um projeto em construção!

Sou Roseli Kummer de Oliveira, filha de pequenos agricultores em Selbach, interior do Rio Grande do Sul, e desde os 6 anos de idade enfrentei as dificuldades da lida na casa, cuidando dos irmãos menores, ajudando na lavoura e no trato dos animais.

Sempre pensava e me via em uma situação melhor e com menos sofrimento, sempre quis algo mais, diferente para trabalhar. Saí da casa dos meus pais aos 15 anos de idade com o objetivo de estudar e para conseguir alcançar este meu primeiro objetivo para a minha mudança, trabalhava de doméstica para pagar a moradia e alimentação.

Quando me formei mudamos para a cidade de São João, no Paraná, onde meu pai investiu em mais terras e não podendo dar continuidade aos meus estudos, busquei trabalho em uma cooperativa agropecuária e neste lugar, onde recebi meu primeiro salário, senti meu trabalho ser valorizado, porém não era o que me realizava por completo, sentia que tinha capacidade e a necessidade de criar algo maior, do meu jeito.

Com 18 anos me casei, tive um filho e passados 5 anos, meu companheiro adoeceu e veio a falecer. Sozinha, com um filho pequeno, me mantive no emprego para sustentar a casa. Logo em seguida, nem imaginava que enfrentaríamos mais uma grande dificuldade, meu filho adoeceu gravemente e todo o meu ganho de salário era destinado para o tratamento dele. Com muita coragem, persistência, esperança, apoio da família e de amigos, superamos e vencemos mais este desafio. Nem imaginava que neste período difícil e que muitas vezes sentia a fragilidade querendo me abater, que também seria o momento mais oportuno e de inspiração empreendedora.

Minha situação financeira era péssima, não tínhamos dinheiro sobrando e para coisas supérfluas ou para renovar o guarda-roupa constantemente e então ouvi aquilo que seria um grande estímulo para novamente tomar as atitudes que me reergueriam. Alguém comentou “a roupa que ela usa, eu não usaria nem pra ir na estrebaria”.

No momento me senti muito mal e ao mesmo tempo,  jurei  a mim mesma  que se um dia tivesse que chorar, choraria de alegria e não mais de tristeza. Casei novamente, voltei a estudar, tive uma filha e perdi o meu emprego de 19 anos, estava cursando faculdade, fiquei desempregada e passei a visualizar novos projetos a partir da grande experiência adquirida na empresa e a frente de novos desafios. Eu estava diante de uma situação problema que precisava de uma solução, e rápida.

Meu  esposo trabalhava como supervisor  e viajava muito, ficando semanas longe de casa e as dificuldades para manter a casa aumentavam.  Comecei a pensar em algo que pudesse fazer para levantar uma renda e conseguir conciliar o cuidado da casa e dos filhos, os estudos da faculdade e que não tivesse horário fixo para cumprir. Foi aí que tive a ideia de  revender roupas, um negócio que eu sentia vontade e capacidade de fazer e que fechava com a minha rotina.

Busquei informações com pessoas conhecidas e de outras cidades sobre os fornecedores, utilizei parte do meu asserto, o FGTS, para adquirir as primeiras mercadorias  e comecei a trabalhar como sacoleira. Viajava para São  Paulo, trazia as roupas e revendia,  primeiramente para as vizinhas, os parentes e depois fui ampliando o leque de clientes usando a minha rede de contatos e a dos próprios clientes.

O negócio foi crescendo, minha sala, não era mais sala de estar, agora estava cheia de roupas como uma loja. Organizei minha rotina e minha vida, contratei pessoas para me ajudar e juntei capital. No período de 3 anos, investi o que havia economizado e mais um valor que tinha de FGTS, algumas reservas e herança, comprei uma casa com uma sala comercial com  90m² de térreo, com terreno vago próximo e no dia 1º de dezembro de 2003, inaugurei a LOJA ROSE, onde vendia artigos de vestuário masculino, feminino e infantil.

Mas não fiquei parada, fui buscando novidades constantemente e incrementado sempre com roupas e artigos diferentes para oferecer aos clientes. A LOJA ROSE tem em sua visão de futuro “Ser uma empresa reconhecida como uma das melhores lojas de confecções, sempre visando a qualidade, preço, atendimento,  superando as expectativas dos nossos clientes.”

Nossa missão é “Ter um produto de qualidade agregado ao melhor  preço e excelente atendimento, onde valorizamos todos os clientes, consumidores e colaboradores, com igualdade, honestidade, respeito, liberdade com responsabilidade e ética profissional.” Após alguns anos, em 2006/2007 sentimos a necessidade de ampliar nossa área de vendas, o espaço já não era mais suficiente e estávamos com uma carteira de clientes triplicada.

Estávamos com uma loja maior, maior diversidade de produtos e consequentemente com maior número de clientes, sendo assim, decidimos investir em mais espaço da loja. Construímos uma nova loja ao  lado com 270 m².  Nosso negócio havia dado certo, estava crescendo a cada ano e precisávamos ter mais organização, segurança e credibilidade, monitorar as contas a pagar e a receber, maior  controle de estoque, maior facilidade de calcular custos fixos e custos sobre o valor das mercadorias, analisar  giro financeiro, ter um parâmetro em  datas  comemorativas  e giro de  determinados mercadorias em épocas sazonais, então resolvemos informatizar.

E com o nosso negócio em crescimento, o meu esposo parou de viajar para ajudar no nosso empreendimento, investimos então em outros negócios como um semi confinamento de gado, melhoramos e aumentamos a nossa área agrícola, aumentando o plantio de soja, milho e trigo. A empresa continuou crescendo, atingindo as metas de vendas definidas a cada ano e continuamos investindo.

Ampliamos nossos negócios no ramo imobiliário construindo ao lado da LOJA ROSE, um prédio com 04 apartamentos residenciais  e uma sala comercial para locação, e ainda  aumentamos a nossa área de vendas em mais 60 m² para loja de calçados. Neste ano de 2018, abrimos a ROSE KIDS, uma loja com mais 80 m², exclusiva de roupas infantis. Hoje temos uma área de vendas de  410 m², uma equipe de 04 vendedoras e dispomos de artigos de vestuário masculino, feminino e infantil e  tamanhos nobres, calçados, cama, mesa e banho, lãs, linhas e barbantes, locação de trajes sociais e um espaço com artigos de sex shop.

A LOJA ROSE desenvolve uma ação de conscientização e repasse para aproveitamento de embalagens plásticas, provenientes  na aquisição das mercadorias, catálogos  e revistas, fazendo a doação dos mesmos para os CEMEI’s – Centros de Educação Infantil e Escolas Municipais. Faço parte  do Núcleo da Mulher  Empresária de São João desde a sua constituição, também da Diretoria da Associação Comercial e Empresarial de São João, do Conselho Municipal de Segurança e do Conselho de Trânsito de São João.

Uma nova história foi construída em minha vida a partir de muita persistência, comprometimento, determinação, coragem e vontade de vencer. A LOJA ROSE está voltada para uma disciplina diária de crescimento e sucesso, baseada num Planejamento Estratégico estruturado e monitorado, voltada para nossa visão de ser, e somos uma empresa reconhecida como uma das melhores lojas de confecções de nossa cidade e Região, sempre priorizando pela qualidade, preço justo, excelente atendimento, buscando superar as expectativas dos nossos clientes.

Vivemos diariamente nossa missão de ter um produto de qualidade agregado ao melhor preço e excelente atendimento ao nosso cliente. Os nossos valores de tratar todos os nossos clientes, consumidores e colaboradores com igualdade, respeito, liberdade com responsabilidade, e ética profissional. Deixo aqui minha mensagem à todas as mulheres que queiram mudar a realidade de suas vidas que, sem trabalho e dedicação, não somos ninguém, que  a humildade, a modéstia, a perseverança andam juntas e principalmente, vencemos quando acreditamos em nossa capacidade.

Acredite em você, acredite no seu potencial, o trabalho dignifica as pessoas,  e o melhor de tudo é quando podemos retribuir, dando nossa contribuição à sociedade.

Fonte: Da assessoria/Cacispar